domingo, 21 de junho de 2009

Saudades

tão longe, tão perto...

Estive sem postar no 'Bangalô'. Durante esse tempo acompanhava a doença do meu pai. 'Seu Mário' (Bezerra) se foi. Nos deixa em meio a uma enorme gratidão pela Vida (física) que Deus lhe deu por 84 anos para nos guiar nesse caminho que ora fazemos pelo Planeta Terra.

Obrigado amigo! Pela força, pelos ensinos, pelos conselhos - até pelos erros, que nos ensinaram também a forma de correção do rumo -, pela alegria que sempre demonstrou ao longo dessa jornada. Uma jornada dificil onde um câncer acabou lhe vencendo. Ou melhor, santa doença que o fez purgar algumas das mazelas morais que elas sempre acabam difundindo. Mesmo no pântano, o lírio brota e o raio de sol consegue penetrar sem se manchar.

Estamos aqui ainda atordoados, muito embora já aguardassenis essa nudança. Ninguém fica pra semente, ouvi dizer muito. Agora foi a vez de plantarmos (o corpo de) meu pai para que o Jardineiro-mor de todo o Universo (re)colha como presente que lhe ofertamos.

Um dia iremos nos encontrar. Não no juízo final de que interpretam os fundamentalistas. Mas a doutrina esclarecedora dos Espíritos Superiores - o Espiritismo, codificado por Allan Kardec - nos sustenta a racionalidade de que "a vida continua", em planos e dimensões que a nossa consciência aceita e acredita. Pois foi de lá que viemos. Para lá voltaremos.

Abençoe-nos pai Mário! E que os amigos de lá, te recebam com festas - como quando viestes à Terra e para os teus que hoje choramos tua saudade.
Novo dia amanhece,
nova vida, nova flor
Jardineiro dessa messe
cuide dela com amor...