domingo, 9 de agosto de 2009

Um pouco de mim para quem guardo no peito


Passei o dia pensando no dia que os pais ganham para lembrança maior dos filhos. E me deu uma saudade danada do velho e bom Mário, que há menos de dois meses se mudou de anima e bagagem para a dimensão do espírito.

Não que eu goste desses eventos inventados à troco de gastos, para aquecer as vendas dos lojistas e atear ainda mais fogo na febre consumista que nos ataca. Sou mais de lembrar pai e mãe, no dia-a-dia que a gente vive e sofre, buscando o entendimento do grupo familiar.

Mas me lembrei de você, seu Mário - no passeio com o Greg, na quadra de esportes quando me sentei olhando o não sei o quê, descobrindo um pouco de vazio em mim - vazio que é de você.

Sei que fora da vigília, certamente, a gente deve ter se encontrado por aí, abençoado um ao outro, chamando-nos de pai cada um de nós e lembrando que saudade foi feita pra se sentir e do lado esquerdo do peito, voce ocupa um lugar sagrado que todos os dias comungo uma conversa com você.

Paz e Bem, velho...