domingo, 4 de dezembro de 2011

Um pronto-socorro de urgência no astral


Cada sonho ou desprendimento noturno significa uma viagem astral que a essência individual registra todo dia. Um bloco de anotações e uma caneta próximo ao local de descanso importam para que se guarde a lembrança da experiência. Faço isso há muito tempo. E desde que o doutor Antonio Mourão me orientou a atender a esse sistema, tenho memorizado cada detalhe impressionante das minhas 'andanças' por aí.

Hoje, estive numa unidade de saúde que, imagino, seja alguma estância espiritual. Fazia-me lembrar um posto de emergência, onde almas aflitas acorrem em busca de socorro. Uma das atendentes aconselha-me a ir a um centro de hemoterapia, como se eu fosse um doador de sangue. Mas não é sangue que elas recolhem, mas minha energia. E a transfere em diminutos canais transparentes para um banco de reserva.

Uma outra entidade chega até a jovem atendente e lhe entrega um cartão com a identificação de alguém que, pelo que pude perceber, tratava-se de um motoqueiro, 'desembrulhado das vestes carnais' por um acidente. Há uma identificação, mas não consigo de forma alguma captar o nome da pessoa. A 'enfermeira' diz que, apesar de todo esforço do grupo, o motoqueiro não conseguiu permanecer 'na linha e, por isso, fora desconectado do corpo'. Acordei para escrever o desprendimento e tentar entender com o transcorrer do domingo.