sábado, 3 de março de 2012

Há algo no ar além dos aviões de carreira

Algum avião deva ter passado por cima de minha cabeça hoje e eu nem tive tempo para notar. Ando tão preocupado com coisas do chão que sequer tenho levantado os olhos para ver o céu de noite. E há brilhos de luz muito mais ricos no céu de minha alma, principalmente quando adormeço e volito na paisagem da outra dimensão.


Hoje, por exemplo, estive num lugar em que as pessoas pareciam repetir nas ruas os versos da canção de Chico, “falando de lado e olhando pro chão”. Uma energia pesada circundava os indivíduos que, eu diria, ousavam sair de suas casas e uma coluna policial os forçava a constantes vistorias. 

Eu mesmo, pensava, tive que me submeter a uma rigorosa investigação até ser liberado para conseguir o visto de andar. Não havia sinais de destruição, como nas cenas de cidades atormentadas pelas guerras ou catástrofes naturais. Tudo levava a crer fosse o padrão de exigência do Poder para que as pessoas conseguissem a chance de ver a luz do dia. 


Em certa residência, onde um grupo se concentrava silencioso, tive a sensação de que ali as pessoas estavam buscando vestimentas especiais para conseguir se conduzirem nas suas mais simples tarefas. 

 Não sei, custa muito para mim citar aqui que a cidade por onde eu caminhei seria algum ermo lugarejo sírio, convivendo com a desgraça de uma ditadura cruel. Mas durante todo o meu desprendimento, era essa a idéia que eu partilhava. 

Uma das pessoas falava (em linguagem que eu entendia, muito embora não ouvisse a voz, nem tampouco visse os lábios se movimentarem) que era preciso arranjar fardas do sistema a fim de alcançar a fronteira mais próxima e se livrar do modelo absolutista que se praticava em pleno século 21. 

 Nisso alguém pega pelo meu braço. Minha respiração agita-se. Olhar enfurecido injeta-me medo. E um grito de que, finalmente, me achara... faz com que eu me acorde e fique sem saber quem me procurava naquela paisagem distanciada de qualquer elemento de beleza e de sentido mais racional.