domingo, 15 de abril de 2012

O PAI QUE VISITA A FAMÍLIA

.
Experiências extra-sensoriais com pessoas que já deixaram essa dimensão são muito comuns, muito embora a maioria das pessoas guarde lembranças poucas. Eu já as tive muitas. Confesso que, nenhuma, me surpreendeu tanto quanto a que registrei esta madrugada.

Estava dormindo e sou acordado por uma pessoa que anuncia estar chegando alguém a minha residência. Antes que eu possa indagar de quem se trata, um sentido qualquer leva-me a reconhecer a figura de meu pai. Em junho que vem completará dois anos de seu desencarne. Poucos meses depois de sua passagem, eu e minha irmã Regina tivemos uma visão muito curiosa de sua presença entre nós. 

Mas a de hoje foi magnífica. Ele chegou me abraçando e indagando se tudo estava bem por aqui. Como alguém que viajasse e retornasse querendo saber as novidades. Eu, na verdade, era que tinha mais interesse em saber dele. "Como é que o senhor está" indaguei. E ele me respondia com um ar despreocupado que estava tudo em ordem. 

Eu notei na sua cabeça uma espécie de lenço em torno de sua fronte e perguntei, curioso, o que era aquilo. Não consegui entender sua explicação, mas ele parece querer dizer que era algo normal. Indago se ele tem visto Regina e ele me responde: "ah" ela sempre vai lá quando está dormindo. É a pessoa que mais me visita". 

De repente, vejo da janela do quarto, gritos de pessoas lá embaixo do prédio. Temo que sejam espíritos de má índole e peço ao meu pai para que se cuide. Ele diz sorrindo que se trata de amigos que vieram em sua companhia  E desaparece. 

Nisso, eu me acordo e ouço no quarto contíguo a voz de minha mãe chamando. Vou até lá e ela pergunta "Você viu seu pai aqui?". Eu chego a estremecer. Aos poucos, ela vai se acordando e diz: "Ah! eu tava era sonhando!...." Vira-se para o outro lado e volta a dormir. 

A minha constatação é de que papai esteve nos visitando para atender a uma tradição comum entre as almas desencarnadas e suas famílias que ficaram na Terra. Para mim, algo bastante comum que não me impressiona esse fenômeno de desprendimento.