domingo, 28 de abril de 2013

MÚSICA ESTRANHA OUVIDA EM OUTRA DIMENSÃO

.
Há coisas mais incríveis 
entre o céu da boca e a terra das unhas
enquanto a gente anda 
pelas cercanias do universo inteiro;

Dorme-se sonhos mil
amanhecidos em rios de luz intensa;
mas preciso é que a gente 
não consiga ser só a mesma pessoa. 

Por onde andará quem eu busco?
em que vida minha eu deixei ?
vivo alucinadamente procurando 

tocar em um oboé, a música 
mais estranha que eu já ouvi 
e que fiz para quando renascer.

UMA VISITA EM DUAS DIMENSÕES

.
Um desprendimento noturno e uma viagem ao encontro de figuras que contribuíram para minha atual existência. Na madrugada deste domingo, encontrei-me com Bemvindo Melo. Funcionário da Receita Fede4ral, foi como doutrinador espírita que seu nome deixou marcas no Ceará. Foi ele quem, de certa forma, me introduziu na doutrina espírita e quem me pôs pela primeira vez em uma mesa para analisar o Evangelho do Cristo. 

Marcado por uma família em provação - os filhos tiveram problemas espirituais e um deles ainda hoje é interno de um centro de recuperação -, os últimos dias do 'irmão Bemvindo', como ficou conhecido, foram difíceis. Ele contraiu uma doença degenerativa que o deixou em cadeiras de rodas, mas jamais perdeu a esperança de ser grato à Vida. 

Desencarnado há mais ou menos 10 anos, nunca eu havia sonhado com ele - até hoje, quando me deparei abraçado a ele e ouvindo de sua boca palavras de gratidão - não sei porquê - e uma frase que me deixou ainda mais certo de que a Vida continua em outras dimensões. 

"A irmã Maria Augusta não esquece de você em suas orações", me disse, enquanto eu ia despertando nesse plano, sentindo-me abençoado. 

Curioso: horas depois fui convidado a dar uma palestra no Centro Espírita Irmão Leite, no Bemfica, e eis quem lá encontro: Adonai, o filho dele com quem tenho, inclusive, parceria em uma música. E mais surpreendente: descubro que Juliana, a nora de Bemvindo, também está se recuperando ali de problemas com a mente. 

Como não acredito no acaso, sei que Bemvindo se antecipou à visita nossa ao hospital e, provavelmente, tenha nos acompanhado do outro lado o encontro com o filho e com a nora - em situação agravada por um surto, a ponto de ter sido amarrada ao leito. 

Não foram só minhas as lágrimas que banharam meu rosto, durante a transfusão energética que fizemos na ocasião. Certamente, o irmão estava presente. E, surpreendemente, depois do passe, Juliana voltou a atender a todos, já que ao chegarmos ela chutava a todos com os pés para que não nos aproximassemos. 

A vida me ensina lições que os do lado de lá sabem mais do que nós...

domingo, 7 de abril de 2013

Colorir o mundo que nos cerca

.
Os dias encurtados 
pelas horas que voam 
nos deixam mais próximos 
do que imaginamos fim. 

O fim, no entanto, 
é apenas um adereço 
que a vida empresta 
para a grande viagem. 

Precisamos colorir 
o mundo que nos cerca 
com as cores da Vida. 

Celebrar o fim, que não é,
aceitando a verdade 
de que nunca morremos.