segunda-feira, 13 de maio de 2013

Escritos Meus
a máquina de lavar



Em frente à maquina de lavar, dispo-me de meus preconceitos;
A camisa de força da ignorância e as calças apertadas do egoísmo.

As vestes rotas do passado, as lanço num canto da sala.
As meias idéias que eu calcei, descalço-me de todos os erros.

Em frente à máquina de lavar Retiro minha armadura e ponho
Fora todos os meus desenganos.

E só assim, afinal de contas, É que eu entro na máquina
E lavo todos os meus pecados.