terça-feira, 29 de abril de 2014

Mães 'full time'

.
Ainda existem mães full time?

Aquelas que acordam no meio da noite, 

entre enfados e choros de seus filhos?

As que só vivem para casa, 

as que nem dormem sossegadas, 

e vivem a bancar amas secas até dos adultos?

Dizem que, domingo segundo de maio, 

é o dia santo delas. Coitadas! 

Quando  já crescidos, esses filhos retornam 

e, nesse dia, inventam de homenageá-las.

As mães morrem de trabalhar no domingo!


Preparam a comida do gosto dos filhos, 

porque eles voltaram com suas mulheres a colo, 


com os filhos, os netos das mães (pre)ocupadas

em agradar a todos porque coração de mãe 

é coração de mãe...

Quem é arruma a casa cedo, varre, espana, 

deixa tudo brilhando para quando eles chegarem?

Quem prepara a melhor comida? 

Quem serve a todos na hora do almoço 

e é a última a sentar-se à mesa?

- É a mãe! É a mãe! respondem todos.

E na hora da festa, os filhos e os netos lhe pregam peças, 

lhe trazem presentes de 1,99, 

comprados no Beco da Poeira, 

encaixotam em embrulhos vistosos,

e quando elas abrem - ouve-se a voz das mães dizerem: 

- Menino, não precisava gastar tanto... 

As mães full time nunca deixam de tratar os filhos

como meninos; porque as mães full time

nunca permitem que seus filhos cresçam. 

Querem que eles sejam sempre crianças

para que o coração de mãe, deles nunca se perca...