sexta-feira, 29 de agosto de 2014

NATAL NO PLANETA



A acrisolada partitura do cântico se renova.
Eleva-se das paragens terrenas um meigo afeto
Ao menino virtude que do céu se fez e objeto
É de desejo para seguirmos os passos seus na prova.



Entoam-se hinos de louvores e de cada alcova
Onde dormitam sonhos em meio ao rude concreto,
Ressurgem esperanças de albergar sob esse teto
A força da paz substituindo a dor que se reprova.



Sublime lembrança nossa desse espírito modelo,
Põe-nos outra vez na mira de tua preferência;
Inunda-nos de amor para que a vida não seja apenas isto:




Um mar de provas, onde muitas vezes nosso apelo
É para que encontremos bálsamos na luz da ciência
Quando a medicação já temos e ela se chama Cristo.

segunda-feira, 11 de agosto de 2014

Encanto de sonho ou desprendimento encantador



Madrugada desta segunda feira, acordei do sonho maravilhoso que tive. Era algo tão real que, ao despertar, lamentei ter sido apenas um sonho.
Estava viajando em uma espécie de veículo espacial que sobrevoava uma região, jamais vista em qualquer país do planeta Terra. Era como se estivesse em um trem, mas volitando num espaço imensamente belo.
A geografia completamente diversa da nossa. Campos de luminescência impressionante atraíam meu olhar, exatasiado diante de inconfundível beleza.
Ao atingir o que suponho ser um povoamento, descubro cidade permeada por uma arquitetura bastante diferenciada da nossa. Ruas pavimentadas em multicores que chamavam atenção e onde incrustavam-se o que eu chamaria de totens ou imagens em espiraladas formas que subiam aos ares.
Encantado com tudo o que via, lembro-me de ter ouvido no interior do veículo no qual eu viajava vozes falando que estávamos circunavegando dimensões ainda não exploradas pela capacidade humana e que estão há anos-luz de distância.

Acordei-me embevecido com a viagem. Já vivencei experiências de desdobramentos interessantes, mas nada comparável ao desta segunda feira.  

sexta-feira, 8 de agosto de 2014

Um ponto de macumba era o carro chefe de cantora cearense


Durante muito tempo ouvia a cantora cearense Ayla Maria cantar 'Babalu' e, como eu era muito pequeno, não tinha a menor ideia de que era, na verdade, uma invocação a uma entidade. A música, que aqui é cantada por Yma Sumac é um ponto de macumba para solicitar uma ajuda a Babalu (um pai-de-santo) para que ele faça um trabalho. 

sexta-feira, 1 de agosto de 2014

Construtores da Nação


Eu tenho a cara nordestina de todo sertanejo
que admira o seu chão e fortalece a sua raça;
que dorme com esperança e acorda um só desejo,
De ver a sua gente respeitada em toda praça.

Eu tenho a fortaleza de entes que são um pejo
de orgulho - cuja ação, homem nenhum rechaça.
Padim Ciço, o Dragão do Mar que fez o despejo
Dos que na escravidão, lucravam com a desgraça.

O Brasil, onde eu passei habitar nessa existência,
Tem lutas de superação e histórias de grandeza
Que merecem, de cada um de nós, celebração.

Nordestinos no mundo, temos em nós a ciência
De sermos raça sofredora mas, que com certeza,

Tem a alma gentil dos que constroem a nação.

(Nonato Albuquerque)