sábado, 19 de setembro de 2015

Deus escreve certo por linhas tortas e usa as mãos dos deficientes visuais

Eu sempre ouvi dizer que Deus escreve certo por linhas tortas. Isso é nada para ele que pode tudo. Mas o que poucos sabem é que Deus, ao escrever certo por linhas tortas, usa as mãos dos deficientes visuais. Ouvi isso de um amigo cego, fazendo questão de dizer que a sua deficiência tinha compensações. Ele fazia artes com elas.

Por isso, todos somos importantes. Uma pessoa pode até nem dispor da visão dos olhos, mas compete a ela disponibilizar a visão interior que é a administrada pelo divino.

Qual a visão que você tem da vida? É uma visão de esperança? Então, deixe que os olhos da alma se ampliem nas conversas nas quais você possa externar esse sentimento maravilhoso do conhecimento. Fale das virtudes benéficas do céu e que estão dispostas em nosso íntimo. Elas se constituem nos dispositivos do amor, da bondade, da caridade, da compaixão, da fé e de todas esses sentimentos que a gente não encontra nos supermercados do mundo.

Aproveitem os dias de experiência escolar, aqui na Sociedade de Assistência aos Cegos, para colher e recolherem a sementeira do conhecimento, que abre portas magnificas para o mundo. O mundo daqueles que não tendo a visão, aprendem com as mãos o grande significado de ver o mundo através da leitura Braille.

Viver é uma experiência que fortuna nenhuma consegue pagar. Todos nós, pessoas que enxergam ou as com deficiência visual, viemos à essa Escola chamada Terra para compartilhar o ensinamento que nos leva ao progresso.

Vestimos uma farda de carne e osso; somos tutelados, inicialmente, pelos mestres de nossa linhagem consanguínea, que são nossos pais, e vamos como a corrente de um rio em busca do mar.

A vida do ser humano assemelha-se muito a de um rio. Nasce pequeno, numa fonte e vai caminhando com a ajuda de outras águas em busca de cristalizar o sonho do infinito.
Assim, também, é o homem. Desde pequeno se encaminha para o projeto divino da emancipação. Vai reunindo conhecimentos, amizades e se fortalecendo.

Há águas que fertilizam terras, ajudam na produção dos frutos, assim como pessoas que fortalecem outras pessoas. Mas existem as que demoram a percorrer sua caminhada. É quando param num baixio, estancam, viram pântano que nada criam e nada fazem. Não é assim com pessoas preguiçosas, lentas que páram no tempo e no caminho? E chegam atrasar até a vida de outras?

A correnteza, muitas vezes, se depara com barreiras interpondo o seu caminho. São as barragens construídas para auxiliar o homem. Pessoas também encontram dificuldades na vida e se sentem impedidas de continuar sua trajetória por algumas injunções da vida. São as provações.

Nessas ocasiões, a gente sente que tudo dá errado e pede ajuda as céus. Já notaram o que acontece com as águas que foram barradas nos açudes? Elas crescem com a ajuda de outras águas e conseguem superar as barreiras e sangram. Que fantástica palavra para dizer que as águas quando são impedidas de continuar sua caminhada, elas sangram. Asssim como as pessoas em momentos de dor e sofrimento.
Pois que aprendamos com as águas. Elas não se entregam. Elas se fortalecem e pedem ajuda dos céus. E os céus enviam chuvas para que elas consigam um outro milagre: o de ganhar força em busca do oceano.

Sabe a luz de artifício que ilumina nossas casas e nossas ruas? Elas são movidas pela força das águas, lá na cachoeira de Paulo Afonso. São águas represadas que, livres, elas alimentam as usinas e nos dão a claridade. Olha só que outra imagem fantástica da Natureza: são nas quedas que as águas ganham força e nos dão a Luz.

Assim como as águas, devemos ser corajosos na batalha da vida. Crentes de que somos auxiliados pelo Poder superior. Pelas amizades. Pela crença de que tudo é possível ser superado. Se tivermos a fé do tamanho de um grãozinho de mostarda, afastaremos montanhas de probemas que nos surgem.

Mas assim como a Natureza das águas, também nós muitas vezes somos violentos, descuidados. Algumas vezes, as águas arrasam terras, destroem plantações; inundam cidades.
A nossa natureza humana, aquela que ainda não desenvolveu os recursos da paciência e da paz, também nos leva muitas vezes a cometer atos equivocados. Agimos de forma violenta contra nossos semelhantes. Por culpa de nossa ignorância ao nosso verdadeiro objetivo na vida, matamos e morremos cedo porque não nutrimos os sentimentos da paz.

É preciso reorientar o curso de nossa caminhada. Evitar a raiva. Descontruir o ciúme. Eliminar o egoísmo. Jogar fora os germes do ódio e da selvageria que ainda confundem o homem nos dias modernos, em meio a toda essa aparelhagem tecnológica fantástica que nos ajuda, mas que contraditoriamente nos remete a idade da Pedra.


Deus escreve certos por linhas tortas. E eu repito a frase de um deficiente visual, ao reconhecer que era preciso aprender a usar bem as mãos porque Deus escreve pelas mãos dos cegos. Jesus disse uma vez: “vós sois deuses. Sede perfeitos, como perfeito é vosso Pai nos céus”. Que desafio ele nos deu. Que possamos cumpri-lo.