domingo, 28 de agosto de 2016

Liberdade dos ventos

Liberdade dos ventos
de Nonato Albuquerque para Francisco Carvalho (in memorian)

Eu tenho a idade longeva das pedras
E o peso acumulado de muitas nuvens.
Faço o caminho nada secreto das águas 
Na companhia agradável do silêncio.

Em meu refúgio, as andorinhas hibernam 
do cansaço angustiante de muitos voos,
E, solenes, as vacas remoem as horas
que se derramam na paisagem vespertina

Eu sou de mouroes antigos, currais de gado
De ruminantes entardeceres nessa jornada
Marcado a ferro e brasa pelos meus donos.

Um dia qualquer, almejo derrubar as cercas
E ganhar o mundo, para que em outros pastos 
Eu venha alcançar a liberdade dos ventos.

O poeta mandrião

Olhos de mandrião, sou eu quem busco
As cenas do pretérito em terras minhas
Onde poeta, logrei por entre as linhas
Ser feitor de versos a pleno lusco-fusco

Imagens me trouxeram as andorinhas
nas cumeeiras do casario etrusco
E a pachorrenta noite a cair de brusco
Por sobre os mil telhados de Azevinhas

Nela, pastoreei almas em romagens
Do evangelho crístico, tomei prumo
Buscando ser fiel a esse nóvel trabalho

De volta ao exílio, já n´outras paragens
Revela-se a veia poética que ainda assumo

E que me nomina ser Chico Carvalho

Inspirado em Fco. Carvalho
a quem muito tenho apreço

quarta-feira, 24 de agosto de 2016

A LISTA (ou o próximo da chamada)

A LISTA 

depois de ouvir Tom Barros

Um amigo, ao saber da morte de mais um contemporâneo seu, 
comentou meio desconcertado: "é, estamos todos nessa lista; 

uns mais próximos da chamada, embora, às vezes, os mais novos
acabem indo primeiro do que os ditos preferenciais..."


Em verdade, em verdade vos digo; desde a hora de nascido,
até o dia dela vir, todos temos os nomes grafados nessa lista.
Uns, porque já combinaram em sair mais cedo, vão sumindo;
outros, porque se preservaram vão ficando, enganando o tempo.

Só sei dizer quando for a hora da chamada de meu nome 
eu quero estar bem esperto, pra não dar trabalho a quem fica 
e muito menos perder a festa de chegada do lado de lá de lá.

Aos que temem que, na lista, a sua vez seja abreviada, 
façam como Matusalém: vivam, trabalhem e amem 
sem a preocupação de que seu nome seja o próximo da lista.

terça-feira, 23 de agosto de 2016

MINHAS ROUPAS Nonato Albuquerque

Nenhum texto alternativo automático disponível.

Ando nas MINHAS ROUPAS todos os santos dias

que muitos dos meus amigos me reconhecem por elas.
São roupas comuns, simples, 
sem compromisso com moda 
Tê-las é garantia de que não acabe saindo nu, por aí. 
Quando pequeno, a roupa de marinheiro me incomodava:
Não tinha mar no meu chão de seco agreste; 
Nem navio algum para eu ficar a vê-los, 
e por isso eu ficava a não ver navios... 
A roupa da primeira comunhão me levou à igreja, 
para bem a terceira vez que eu comungava. 
Entrava na fila, pequeno ainda, 
na batina negra, o padre nunca me empatou
de sem confissão nenhuma
eu cometesse 'o pecado' de vestir cristo em minha inocência; 
Na juventude, as calças bocas de sino tocavam meus sapatos
E escondiam a falta de verniz que a poeira encobria. 
Andei em roupas que se ajustaram ao meu corpo,
Bem como as que cabiam dois de mim. 
Hoje, tenho paletós que me levam ao trabalho, 
Bermudas que as conduzo em psseios pelos shoppings
Calções que uso, uma vez ou outra, na piscina. 
Mas a roupa que melhor assume minha personalidade
É a que anda comigo em casa, despreocupadamente. 
Não é look que se inveje; nem moda que se copie,
Mas é a que mais me aproxima do menino 
Que ainda em mim, eu visto..

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Da reunião de 18 de agosto

O melhor de tudo é não dizer nadinha 
tão longa foi a espera, tão próximo é esse dia.
alvorecemos em campos de trabalho 
depois de anoitecdido o corpo em desalinho

reajustamos os dispositivos da alma 
e fechamos balanço às ações cotidianas;
eu nada tenho a dizer do muito que já foi dito
quem procura aprender é quem tem muito a ensinar

o primeiro instante aqui é o primeiro depois do último
retoquem as máscaras
revisem os conceitos
transformem-se em atos
pois de palavras muitas 
eu sempre me acho cheio