domingo, 28 de agosto de 2016

O poeta mandrião

Olhos de mandrião, sou eu quem busco
As cenas do pretérito em terras minhas
Onde poeta, logrei por entre as linhas
Ser feitor de versos a pleno lusco-fusco

Imagens me trouxeram as andorinhas
nas cumeeiras do casario etrusco
E a pachorrenta noite a cair de brusco
Por sobre os mil telhados de Azevinhas

Nela, pastoreei almas em romagens
Do evangelho crístico, tomei prumo
Buscando ser fiel a esse nóvel trabalho

De volta ao exílio, já n´outras paragens
Revela-se a veia poética que ainda assumo

E que me nomina ser Chico Carvalho

Inspirado em Fco. Carvalho
a quem muito tenho apreço