sábado, 25 de março de 2017

O verso que se fez música do meu ego

O verso que se fez música do meu ego, 
tangenciou-se a rumos mais sensíveis; 
bocas famintas do belo o trituraram 
até fazê-lo escorrer por entre as arcadas 

a música que se fez do verso meu, eco 
sonorizou ouvidos e realimentou bocas; 
foi vista circunavegando em pleno éter 
como se fruto fosse das hertzianas ondas. 

Que anjo bordou todas as cores do som 
e despejou seus raios luminosos
por entre sensíveis emoções à flor da pele? 

Eu só conheço de mim o verso que liberta 
a poesia do amanhã, para que uma vez mais 
o amanhã venha quebrar todo o silêncio. 

(Nonato Albuquerque)