terça-feira, 23 de outubro de 2018

Do que vivo e encanto

plantei sementes de luz 
em folhas de papel, 
letras marcavam o caminho 
por onde
por onde deitei palavras 
e, em cujas linhas, 
semeei encantos muitos. 

fui amante das letras 
como ninguém mais 
ousou sê-lo, ao tempo 
em que vivi as múltiplas 
faces do amor 
com que aprendi ser 

hoje eu milito aqui 
no lado onde dizem 
ter anjos e vidas muitas 
adormecem no silêncio 
Mas eu vivo, falo, 
ando e semeio sons. 

quando, um dia, de novo 
eu tiver a possibilidade 
de voltar aos campos 
plantarei palavras 
que serão colhidas 
por atenciosos ouvidos. 

E iluminarei os dias 
com a luz da minha fala
recolhendo do meu eu 
as fulgurantes marcas 
do que, nesse momento, 
eu vivo e encanto.