quinta-feira, 7 de novembro de 2019

poema inacabado ao meu anjo de guarda


Meu anjo-de-guarda, que chamo de Francisco,
costuma tocar alaúde nas horas de meu sono
Num átimo de tempo, como se fosse um cisco
minha alma ganha os ares, do corpo em abandono.
na imensidão do cosmo a lhe buscar, volito
tentativa de achar o bem do meu passado
embora saiba que comigo, rumo ao infinito
ele cumpra a tarefa de estarmos lado a lado.
que eu eu não faça a esse anjo, nenhum pedido
que não seja o de render eterna companhia
para que a minha vida mágica se expanda
`(...)