terça-feira, 17 de dezembro de 2019

VERSOS IN VERSOS

eu navego
as alturas
como quem
abraça
um sonho

e acordo
as manhãs
esperando
que seja
doce meu dia
meu barco
estacionou
em porto
de nuvens
alvacentas
amarrado
ao diálogo
das sombras
onde está
meu porto
sou do alto
e não vejo
saída, senão
remar ao
meu passado
um dia
evolarei
do sonho
à realidade
como criança
que acorda
e sente fome
de leite
e correr
nas campinas

domingo, 8 de dezembro de 2019

EU NÃO NASCI DO PECADO


Eu não nasci do pecado, 
como ainda querem devoradores de bíblia,
que não sabem filtrar a letra morta
e consubstanciar no texto, o espírito.  

Eu nasci do amor,
esse sentimento que varre a poeira dos séculos
e que tem sido o alimento de animais
em todas as suas divisões de espécie.

Eu não nasci do medo
que advogam algumas mentes ignorantes
ao verdadeiro sentido da Vida.
Eu nasci da força da esperança de viver.

De me iluminar com essa existência
E iluminar o mundo à minha passagem.
Eu sou o ideal ansiado por Deus
Para cada pessoa que vive a sua fé.

E eu não vou morrer, acreditem!
Os que se apegam ao Ter, acabam
significando abrigo à desconfiança
E Deus é pai pra toda obra.

Somos imortais e, aqui, não falo
de imortalidade como se apenas
privilégio fosse dos que academizam 
um saber. Eles já o são em vida.

Eu não vou cair no pântano de Pan
como ainda afirmam os inocentes
Que preveem para si o mergulho
Da gota no oceano. Eu sou luz.

E saber que luz interpenetra tudo
Faz-me crer que eu sou, sendo. 
hoje aqui; amanhã renascendo de novo
Pelo amor. E por amor. Não pelo pecado.