segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

MÃE-TERRA

.


Comparação bendita, essa tua
Que seja a Terra escola benfazeja
Onde desperta a alma ainda nua
Pra se vestir da luz que ela almeja

É vindo à Terra que se continua
O aprendizado que se deseja
Avançar, e quando finda a sua
Vida, outra em outro ar viceja

É prisão das almas desditosas
A colher espinhos ao invés de rosas
No jardim maior que a vida encerra

É hospital de luz renovando almas
Ontem endurecidas, hoje calmas
Na ventura que é benção da Mãe-Terra.