quinta-feira, 19 de junho de 2014

Sem pontos e sem vírgulas


Quem bate à porta, meia noite adentro 
em meu sono de descanso 

Eu viajo em outros rumos
auxilio o andamento das coisas 
como se desperto
e moro na simplicidade dos sonhos 

Lidero uma multidão de rostos informes

que viajam num trem de destino incerto

Por onde passa 

mais gente se aboleta
e chega até à praça da Misericordiosa Prece

Quem é esse indivíduo que me recepciona

quem sou eu, afinal de contas nesse jogo
que termina quando começa
e onde apenas eu sou atacante e defensor 

terça-feira, 10 de junho de 2014

Poema que abençoa os homens e aviva os mortos

Nonato Albuquerque


O poeta diz, citando outro poeta,

Que o dia mais feliz de sua vida

Foi quando descobriu que fazia poemas

Sem saber que também era poeta...


Thiago de Mello ao lembrar Bandeira,

Me faz viajar nas asas da imaginação

E procurar no fundo da memória

O dia em que me descobri poemando.


Eu não era nada, além do que eu sabia,

De poeta que escreve versos sem rima

E prosa nas conversas, um pouco poesia

Mas era tudo, falando comigo mesmo 
das coisas que descobri serem poemas

Que abençoam homens e avivam mortos.