domingo, 28 de junho de 2015

De semente das sombras, às forças de luz

Nonato Albuquerque
Antes, ator de infortúnios e de conquistas,
menti, matei, saqueei; por ideais profanos.
Hoje, em meio a seres de mentes altruístas,
apodreço entre os humildes hansenianos.
Antes, a lâmina do horror decapitava tiranos
ante o tropel de bárbaros quatrocentistas.
Hoje, ressurecto à vida, após malgrados anos,
somatizamos dores de passados egoístas.
As faixas de carne que encobrem o que fomos
são elos da misericórdia divina e de mudança
de semente das sombras em forças de luz.
O hino de amor que, na Terra, hoje compomos
É a certeza dessa consoladora esperança
De que nunca nos abandona, o amor de Jesus
(Inspirado em Jésus Gonçalves)