domingo, 25 de fevereiro de 2018

O destino proposto por Jesus

dona Celestina, negra admirável e bem quista
retornou aos cimos dos céus depois da lida
conduzindo de queixas uma enorme lista
a reclamar aos guias santos, sua última vida.

Por que o senhor de tudo e todos pôs à vista
essa cor de noite de estrelas desprovida?
num mundo cheio de gente moralista,
de todos os sofreres, o da cor ela não olvida

Um anjo em socorro lhe diz que essa queixa
é inaceitável, pois as sombras de sua pele
escondem a pérola da mais sagrada luz

quando ao final da vida terrena, a raça deixa
um rastro luminoso se ao amor se impele

cumpre o destino que lhe propôs Jesus

sábado, 24 de fevereiro de 2018

dignatário do altíssimo

diáfana presença de paz
essa que me acerca
quando distante de todo barulho
eu adormeço um sonho e acordo no éter

volito por entre nuvens vagabundas
algumas grávidas
outras nervosas, eletrocutando-se

mas acima delas um céu de maravilhas
se protege
das almas puritanas que o desejam

Quando eu me for, realmente,
quero pousar nas esquinas do horizonte
onde estão situados os pomares do bem
para que, diante de um dos seus frutos,
eu me reconheça filho do alto
dignatário do altíssimo.

E amém. 

sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018

Do pó ao pó

o amor que te devoto
nessa ânsia de loucura
é o mesmo que procura
o relâmpago no ignoto

o abandono que me dás
em troca desse afeto
é o que ao ser mais abjeto
lhes dão as pessoas más

não preciso de tua carne
nem me alegra teu destino
o que me encanta és tu só

ainda que eu desencarne
e volte como um menino

amar-te-ei do pó ao pó. 

O inferno

quando eu quero me parecer nobre,
digo que já fui rei. Um duque. Conde.
títulos que se arranja não sei por onde
por jamais querer me parecer pobre.

a vida minha que levo hoje encobre
as ruínas do passado que se esconde
entre o que eu fui e que corresponde
ao que hoje sou e quero que soçobre.

fui figura do mal. Destilei tanto ódio,
envenenei-me de ciúme o tempo todo
matei sonhos e esperanças. Mil ideais

hoje recolhido ao lugar desse pódio
de sombras, reconheço que é o modo

de quem vive o mal e nesse inferno jaz.

segunda-feira, 12 de fevereiro de 2018

O homem da cruz

quem é esse rei, que ouço
falar há séculos no mundo
padecido ainda tão moço
num sacrifício profundo?

dizem chamar-se Jesus
filho de um carpinteiro
que trouxe dos céus a luz
pra iluminar o mundo inteiro

mas se ele é rei, que motivo
tinha para um sacrifício assim?
mesmo morto, ele está vivo
pois a morte não é o fim

ele reina em outros ares
de dimensões espirituais
onde não chegam os olhares
onde resplandece a paz.

mas quem seguir o conselho
que ele deixou nos ensinos
sabe que ele é o espelho
que muda todos destinos.

dos tempos que eu já passei
até os dias presentes
Jesus nazareno é o rei
de todos nós penitentes

sagrado nome de apreço
que a todos nós nos seduz
nenhum outro ser tem o preço

do valor do homem da cruz

(Inspirado em Lope de Vega)