sábado, 2 de maio de 2009

Sonho ou desprendimento, a viagem a Cuba e o caminhão desgovernado


Era sonho ou desprendimento? Esta madrugada circulei por entre imagens não tão bem nítidas, mas impressionantes. Elas me revelavam o cenário de Cuba.

Ruas semi-desertas. Fachadas carcomidas pela ação do tempo. Janelas entreabertas de algumas casas. E, aqui acolá, pessoas desvencilhando-se das gotículas de chuva que caiam sobre as calçadas.

Eu sabia que estava na terra de Fidel e que fora lá convidado pela professora Adísia Sá - que recebera convite do próprio dirigente do país.

Numa espécie de palanque numa praça ao final de uma rua tortuosa, um grupo de pessoas aguardava a hora da chegada do 'líder'. A professora pega o microfone e diz uma frase marcante sobre a ilha - mas a lembrança não me permite guardá-la quando na vigília.

Nisso, o palanque sai do lugar. Percebo tratar-se de um caminhão que, em disparada, avança pelas ruas e sinto que as pessoas podem cair. Vejo Adísia pendurada na carroceria e dizendo que vai saltar. Ela pula e eu fico receioso de que o veículo, naquela carreira, vá de encontro a algum imóvel.

O carro choca-se com algo. Eu penso no sonho que, acordado, sentirei as dores desse acidente. Vou acordando. E, dali a pouco, percebo que minha coluna está dolorida.

Que signiica o caminhão desgovernado? E a professora atirada fora dele depois de pronunciar uma frase importantre?