sábado, 8 de janeiro de 2011

O sonho da igreja despedaçada


Segunda, 3 de janeiro de 2011. O primeiro dos sonhos que me lembro do novo calendário. E nele, uma certa disposição para a crise religiosa do mundo e a expansão do materialismo.

Estava eu numa igreja. Desconheço a localização. Surpreso, eu dava de cara com uma completa destruição das imagens e das peças sacras. Atrás do altar, a cruz de madeira sem o Cristo, cuja estátua estava despedaçada no chão.

O cálice, utilizado nos ofícios da santa missa, virado em cima da toalha branca marcada por sangue. O sacrário aberto, profanado.

Ao olhar em redor, percebo que todas as imagens estão quebradas, alvo de vandalismo. E indago a alguém, cujo rosto não vejo, o que acontecera.

- Trata-se do fim de Deus entre as pessoas. Elas não mais creem. E a Igreja decretou que nada disso é verdade.

Ouço e não acredito. Mas como não ser verdade? Há 3 mil anos [ olha o detalhe para a data ] que temos esse conhecimento de que Cristo é o renovador das almas. Por que o redentor agora é colocado nessa situação?

- Porque os homens assim o fazem... - escuto, enquanto vou me acordando dessa estranha mensagem que, bem refletida, tem muito a nos dizer.