terça-feira, 8 de abril de 2014

A MINHA PRIMEIRA DÍVIDA DA PRÓXIMA EXISTÊNCIA


Uma ligação da filha de Ady, me dá conta de que ela está bem abatidinha e que seria de bom grado que eu a visitasse. Ady Barbosa Saraiva é uma figura incrível, que a conheci nas palestras espíritas.

Dona de uma envolvente energia, sublimada por um sorriso constante no rosto que guardava ainda sinais da beleza do passado. 

Cada vez que eu ia à Sociedade Espírita de Fortaleza, onde consagrava seu tempo de estudos religiosos e de prestação de serviços, ela me pedia para encerrar a palestra cantando alguma das minhas músicas. Uma delas, eu entoei hoje à beira da cama hospitalar em seu apartameto, na cobertura da José Vilar, 1590. 

"Eu já fui pedra nesses caminhos do mundo
fui verdes pastos, 
sombra e alimento a tantas bocas;
Tempos depois eu fui um peixe 
nadando em muitas águas 
e quando o sol sumiu nos montes 
amanheci um pássaro. 
E só então, depois de muitas eras
eu fui um índio que conheceu a Natureza
até que hoje reeencarnado 
eu sou um bicho-homem. 

Agora eu sigo procurando 
a etapa do Universo 
em que essas vidas todas, tantas, 
vão se dar num anjo
Um anjo de luz..."

É a história da Humana Idade e um pouco, também, da crença que eu e Ady temos da eternidade da alma. Quando ela for - e não precisa ser agora - eu já tenho consciência de minha primeira dívida na próxima vida. Vamos estar juntos. Para cumprir o ideal de um projeto em benefício de muitas almas, que essa existência não nos deixou atender. 

Almas eternas que somos, amanhã seremos.