domingo, 18 de setembro de 2016

FOME E SEDE DE DEUS


No rio das muitas águas de meu peito
Navegam queixas, transbordam mágoas
Silenciosos cardumes se estreitam
No aguardo de chegarem à superfície

Quando choro, o anzol do desespero
Trata de içá-los em meio às lágrimas
E o aço das lâminas corrige o rumo
Transportando-os a outra dimensão

Quem para estancar essa correnteza
Que devasta minha alma inconsolável?
Todo rio reclama caminhos oceânicos

Se Pedro fez-se pescador de homens
Quero ser peixe para matar nas redes

Essa fome enorme de Deus em mim