sábado, 29 de dezembro de 2018

POEMA-DOR QUE ME PEGOU PRA CRISTO


Esse poema me custou parte de minha vida.
Me retalhou a alma. Escancarou meu pranto.
Deixou-me de quatro, num beco sem saída
a lamentar o tempo perdido e o todo encanto.

As vísceras de meu ser expôs na avenida
daquilo que não almoço e nem mais janto
por temer reabrir em mim, mal curada ferida 
esse poema custa a paz de qualquer santo

Remoeu dentro de mim, ânsias do passado;
noites mal dormidas. Vingança indesejável.
A construção dele custou-me tudo, tudo isto.

Cada tijolo que fiz letrar aqui, me foi marcado
a ferro e fogo. Há um termo, até impublicável
pois que esse poema-dor me pegou pra Cristo.