sexta-feira, 14 de dezembro de 2018

Nem santos, nem paraíso

Naveguei estrelas e astros
Viajante sem porto, destino
Me fiz adulto, menino
Não deixei marcas, nem rastros

Por onde andei, dei de cara
Com coisas muitas, eu sei
Fui monge -  hoje coisa rara
Só não vagabundo, nem rei

Cheguei aqui agnóstico
Achando ser mito o eterno
Por achar o além impreciso

Contra qualquer prognóstico
Nao vi chamas do inferno
Nem santos, nem paraíso.

(Gê Eme Eme Eme)